MELHORIA DA QUALIDADE DO AR

Existem vários exemplos de medidas bem-sucedidas para redução da poluição do ar e consequente melhoria da qualidade do ar.

Indústria: tecnologias limpas que reduzem as emissões de chaminés industriais; melhor gestão de resíduos urbanos e agrícolas, incluindo a captura de gás metano emitido de aterros como alternativa à incineração (para uso como biogás);

Energia: garantir o acesso a soluções de energia limpa para uso doméstico (cozinhar, aquecer e iluminar);

Transporte: mudança para modos limpos de geração de energia; priorizando transporte urbano, redes de caminhada e ciclismo nas cidades, bem como transporte ferroviário de carga interurbano e viagens de passageiros; mudança para veículos pesados ​​a diesel mais limpos e veículos e combustíveis de baixa emissão, incluindo combustíveis com teor de enxofre reduzido;

Planeamento urbano: melhorar a eficiência energética dos edifícios e tornar as cidades mais verdes e compactas e, portanto, energeticamente eficientes;

Geração de energia: aumento do uso de combustíveis de baixa emissão e fontes de energia renováveis ​​e livres de combustão (energia solar, eólica ou hidroelétrica); co-geração de calor e energia;

Gestão de resíduos municipais e agrícolas: estratégias para redução de resíduos, separação de resíduos, reciclagem e reutilização ou reprocessamento de resíduos; assim como métodos aprimorados de gestão de resíduos biológicos, como a digestão anaeróbia de resíduos para a produção de biogás, são alternativas viáveis ​​e de baixo custo para a incineração aberta de resíduos sólidos1.

A promoção de transportes mais limpos, a definição de zonas de transportes de baixas emissões e a imposição de taxas associadas a congestionamento são algumas das opções mais fáceis ao dispor das cidades para melhorar a qualidade do ar. A utilização de transportes coletivos, ao invés da viatura pessoal, partilha de carro, ou a utilização de viaturas menos poluentes, como é o caso dos carros e autocarros elétricos ou híbridos, são algumas das medidas mais imediatas que se podem adotar para reduzir o impacte deste problema sobre a atmosfera, o ruído e o clima. Deslocar-se a pé ou de bicicleta poupa a saúde, o ambiente, e a carteira8.

Naturalmente para que tal seja possível, também ao nível do urbanismo e do ordenamento do território é preciso desenvolver estratégias que promovam o transporte público e a mobilidade ativa, que retirem espaço ao automóvel e devolvam a cidade aos cidadãos.

Relativamente às outras fontes de poluição existem medidas adicionais de redução de emissões de poluentes atmosféricos de: instalações industriais, máquinas não rodoviárias, médias instalações de combustão; equipamentos de aquecimento doméstico que utilizam biomassa e o incremento de boas práticas agrícolas visando reduzir o seu impacte na saúde humana e no ambiente3.

Políticas e investimentos que apoiam o acesso sustentável a energias e transportes limpos, bem como a casas com eficiência energética e à gestão de resíduos municipais, “podem reduzir as principais fontes de poluição do ar”2.


1 – Air Pollution – WHO

2 – Metade da população mundial está exposta a cada vez mais poluição atmosférica

3 – Estratégia Nacional para o Ar 2020 – Relatório Síntese

8 – Semana Europeia da Mobilidade 2020 : pela mobilidade sustentável