EXPOSIÇÃO AO RUÍDO AMBIENTE

O ruído é proveniente de uma variedade de fontes e está amplamente presente não apenas nos ambientes urbanos mais movimentados, mas cada vez mais em ambientes outrora naturais. Está associado a atividades humanas e económicas, permanentes e temporárias, nomeadamente proveniente dos diferentes meios de transporte, atividades industriais, construção, bem como algumas outras atividades ao ar livre. Representando o ruído originado pelo tráfego rodoviário, ferroviário e aéreo um impacte mais elevado.

Mais especificamente, o número total de pessoas expostas a níveis de ruído superiores a 55 dB(A), para o indicador Lden (média de 24 horas ponderada por períodos, diurno, entardecer e noturno), é estimado em 125 milhões para o ruído do tráfego rodoviário, 22 milhões para ruído ferroviário, 4 milhões para tráfego aéreo e 1 milhão para ruído causado por indústrias2.

A exposição ao ruído pode ser ocupacional (fábricas, transportes públicos), crónica (residência, áreas urbanas) e de lazer (bares, cinemas, discotecas, comércio).

RUÍDO DE TRANSPORTES

Os transportes (rodoviário, ferroviário e aéreo) são a principal fonte de ruído nas cidades, o que já foi reconhecido como um problema significativo de saúde pública pela Organização Mundial de Saúde. No entanto, o número de pessoas expostas ao ruído do tráfego rodoviário excede em muito o exposto ao tráfego ferroviário e aéreo. Isto é devido à extensão da malha viária, que é maior do que as outras fontes de ruído.

Por exemplo, de acordo com o estipulado na Diretiva de Ruído Ambiente, os países da União Europeia precisam avaliar os níveis de ruído para 420 791 km de estradas principais com mais de 3 milhões de passagens de veículos por ano, bem como todas as estradas dentro de 511 áreas urbanas. Além disso, o uso de veículos rodoviários é muito difundido na União Europeia, com cerca de 500 carros por 1 000 habitantes2.

TRÁFEGO RODOVIÁRIO

De acordo com estudos recentes da Organização Mundial de Saúde e da Agência Europeia de Ambiente, na Europa, o tráfego rodoviário é a fonte dominante de ruído em meio urbano afetando mais 125 milhões de pessoas, com níveis superiores a 55 dB(A) (Lden). Destes, 37 milhões são expostos a níveis muito elevados (superiores a 65 dB). O que se deve essencialmente à elevada velocidade nos grandes eixos rodoviários e à baixa velocidade no congestionamento de tráfego urbano. A potência sonora verificada numa estrada está diretamente ligada ao tráfego que esta escoa. A categoria do veículo, estado de conservação, tipo e estado de piso, zonas que impliquem mudanças bruscas de velocidade e potência (semáforos…) são alguns dos fatores com influência no nível de ruído emitido.

As entidades responsáveis pelas infraestruturas de transporte devem elaborar planos de monitorização e redução de ruído.

TRÁFEGO FERROVIÁRIO

O tráfego ferroviário é a segunda fonte mais dominante de ruído ambiente na Europa, estimando-se que quase 22 milhões de pessoas estão expostas a níveis iguais ou superiores a 55 dB Lden. Destes, 11 milhões estão expostos ao ruído ferroviário dentro de áreas urbanas e 11 milhões estão expostos às principais fontes de ruído ferroviário fora das áreas urbanas2.

A exposição ao ruído noturno do tráfego ferroviário de 50 dB ou mais afeta aproximadamente 9 milhões de pessoas em áreas urbanas e 8 milhões de pessoas fora das áreas urbanas. Como resultado, estima-se que o ruído ferroviário acima dos limiares da Diretiva de Ruído Ambiente afeta 4% da população expresso pelo indicador Lden e 3% durante o período noturno expresso pelo indicador Ln (ruído noturno entre as 23h e as 7h).

O número de pessoas expostas ao ruído do tráfego ferroviário dentro das áreas urbanas está diretamente relacionado com o número de habitantes da cidade e varia entre países. Os principais fatores que influenciam o nível de ruído emitido são a velocidade de circulação, tipo de locomotivas (sistemas de travagem), traçados das linhas, avisadores sonoros e tecnologia utilizada.

TRÁFEGO AÉREO

O ruído do tráfego aéreo afeta uma proporção muito menor da população do que o ruído do tráfego rodoviário ou ferroviário8. No entanto, pode originar graves problemas de ruído para a população que habita próximo de aeroportos em particular durante as operações de descolagem e aterragem. No total, na Europa, existem 89 principais aeroportos abrangidos pela Diretiva de Ruído Ambiente para os quais a exposição da população ao ruído deve ser avaliada. De acordo com os dados atuais, estima-se que o ruído aéreo expõe aproximadamente 3 milhões de pessoas a níveis de 55 dB ou mais durante o período Lden nas áreas urbanas. Somando-se a esta figura, o número de pessoas expostas ao ruído dos principais aeroportos fora das áreas urbanas é estimado em 1 milhão. Em termos de ruído noturno, os valores são 1 e 0,5 milhões, respetivamente. O LAeq de populações expostas diariamente ao ruído aéreo é em média superior a 65 dB(A).

Lisboa é a segunda pior capital europeia (a seguir ao Luxemburgo) em termos de exposição ao ruído do tráfego aéreo, no que respeita ao indicador Lden, com 15% da população do município exposta a níveis superiores a 55 dB, e ao indicador Ln, com 10% da população exposta a níveis superiores a 50 dB. Cerca de 7% da população das aglomerações (onde, de acordo com a legislação europeia se incluem os municípios de Lisboa e Porto e alguns dos arredores destas duas cidades), está exposta a valores superiores a 50 dB, associados exclusivamente ao tráfego aéreo9.

OUTRAS FONTES DE RUÍDO

As atividades industriais dão origem a incomodidade sonora na sua vizinhança, quer porque utilizam processos ruidosos (altos fornos) ou porque recorrem a instalações e equipamentos ruidosas (compressores, bombas, …).

Mapas estratégicos de ruído dentro de áreas urbanas definidas na Diretiva de Ruído Ambiente devem incluir o ruído de sítios de atividade industrial, incluindo portos. Estima-se que, na Europa, cerca de 800 mil pessoas que vivem em áreas urbanas estão expostas aos níveis de ruído da indústria de pelo menos 55 dB durante o período Lden e cerca de 400 mil a níveis de pelo menos 50 dB durante o Ln. Como resultado, estima-se que o ruído da indústria acima dos limites reportados na diretiva afeta 0,15% da população dentro de áreas urbanas durante o período diurno-noturno e 0,08% no período noturno. Portanto, o ruído industrial é de longe o menor contribuinte para exposição da população ao ruído em comparação com outras fontes de ruído2.

As cidades com uma proporção maior de pessoas expostas a ruído industrial geralmente não são cidades capitais. É importante referir que áreas industriais e portos, em norma, localizam-se na periferia das cidades.

Outras fontes de ruído comuns estão relacionadas com atividades de lazer, nomeadamente zonas turísticas, pessoas na rua, esplanadas, restaurantes, zonas de bares e discotecas e locais de espetáculos.


2 – Environment noise in Europe 2020

8 – Saúde de Qualidade e Cidades e Comunidades Sustentáveis

9 – Ruído do Tráfego Aéreo – Portugal e Lisboa, Infelizmente, no Topo das Preocupações à Escala Europeia